banner 2 globo esporte (branco).png
banner 1 globo esporte (branco).png

Com uma ligação, Kyrie Irving busca sua nova fase

Após cobrança pública nos colegas, armador dos Celtics tenta redenção pelo passado.


Em um restaurante de Los Angeles, dois astros da NBA jantam e conversam, como velhos amigos que são. De um lado da mesa está Kevin Love, ala-pivô do Cleveland Cavaliers. Do outro lado está LeBron James, um dos maiores jogadores da atualidade e ex-colega de Love nos Cavs que foram campeões em 2016. A conversa é interrompida quando o celular do atual ala do Los Angeles Lakers toca e, com um ar de surpresa, King James mostra a tela para o amigo: a ligação vem diretamente de Boston, com Kyrie Irving na linha.


A ligação possuía um objetivo, é claro. Desabafar algo que estava entalado desde agosto de 2017. Para explicar melhor, voltemos até lá: foi quando Irving partiu para o Boston Celtics através de uma troca com Cleveland, que adicionou Isaiah Thomas ao seu elenco. Naquele momento, a sensação pública, geral e da mídia sobre a saída de Kyrie foi de uma insatisfação em ser a segunda estrela do time. A ida para Boston não só o tiraria da sombra de King James, mas o daria a oportunidade de ser o protagonista que ele, aparentemente, tanto ansiava.


Os anos em Boston não foram tão gloriosos quanto poderiam ser, no entanto. Ainda em meio a longo processo de reconstrução desde o fim do time dos sonhos que foi campeão em 2008, os Celtics seguiram com papel de coadjuvante nos playoffs de 2017 e 2018. A pressão sobre Irving, agora a estrela mais brilhante da constelação, foi imensa.


Kyrie Irving marca LeBron James durante partida entre Celtics e Cavaliers, em 2017: relação entre os dois é turbulenta, mas o pior parece ter ficado para trás. (Erik Drost/Creative Commons)

Na temporada atual, tudo parecia mudar. Com um time muito mais entrosado e efetivo, os Celtics devem garantir novamente uma vaga na pós-temporada – e com números muito expressivos para Irving. Mas o armador deixou seu brilho ofuscar o bom senso e se envolveu em polêmica ao criticar publicamente seus companheiros de time na semana passada, após derrota para o Orlando Magic no sábado (12). "Falta experiência. E por conta disso, ainda temos muito a evoluir", disse o jogador.


O clima no vestiário não ficou muito bom depois disso. Jaylen Brown, ala de Boston, fez questão de dizer que "não é hora de apontar o dedo". A declaração veio logo em seguida da vitória sobre o Toronto Raptors, na última segunda (14).


Mas finalmente, parece que o ditado "há males que vem para o bem" se aplicou à situação de Irving. Todo o barulho em cima dessas declarações fez Kyrie perceber que para ser um astro da NBA é preciso muito mais do que simplesmente ser bom. Para ser grande é necessário saber liderar, algo que Irving humildemente viu refletido, inclusive, no seu passado. O que nos traz de volta ao celular de LeBron James.


"Eu tive que ligar para o ‘Bron e pedir desculpas por ter sido aquele jogador jovem que queria tudo na mão. Eu queria ser o cara que ia nos levar ao título, eu queria ser o líder, eu queria ser isso tudo. E a responsabilidade de ser o melhor jogador do mundo e liderar uma equipe não é para todo mundo", declarou o armador celta. É claro que nem todos querem ser Scott Pippen quando podem ser Michael Jordan, mas Irving percebeu que muito do que faz um atleta entrar para a história está no modo como ele lidera aqueles que estão ao seu redor.


Aquela simples ligação carregava o peso de más decisões, declarações impensadas e mágoa pelo abandono, mas foi com a sensibilidade de dois grandes jogadores que isso foi deixado para trás. LeBron falou sobre sua conversa com o ex-colega de time com a alegria de quem parece perdoar um velho amigo. Irving, por sua vez, foi ao mesmo tempo grandioso e humilde ao reconhecer suas falhas. Não apenas com King James, embora o gesto seja bastante simbólico, mas também – e talvez principalmente – com seus atuais companheiros em Boston.


Só ficou mais claro, agora, que foi o ego que levou Kyrie Irving para um time novo, no qual ele poderia ser a maior estrela: seja da conquista, seja do fracasso. O que seus erros antigos e recentes trouxeram foi uma lição de humildade, que parece, enfim, tê-lo levado a enxergar o caminho necessário para que o time dos Celtics brilhe; e não somente ele. Tudo isso ao custo de uma ligação telefônica.


 

#NBA #Bastidores


#Basquete #KyrieIrving #LeBronJames #BostonCeltics #ClevelandCavaliers