banner 2 globo esporte (branco).png
banner 1 globo esporte (branco).png

Equipes da Série B mudam planos cada vez mais cedo

É fevereiro e oito times trocaram de técnico, seja por demissão ou por concorrência: os números.


Há onze meses, o NesF destacou que metade dos clubes participantes do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão de 2019 já haviam mudado de treinador. Naquele momento, a reta final das fases iniciais nos estaduais tinha feito várias vítimas. Desta vez, ainda falta cerca de um mês para isso: o levantamento publicado aqui, no ano passado, foi ao ar em 22 de março. Agora, ainda é fevereiro de uma temporada bastante espremida no calendário do futebol nacional – boa parte dos times teve dez dias de pré-temporada ou menos – e o número de 2019 já está prestes a ser igualado. Oito dos vinte clubes da Série B 2020 mexeram no comando técnico, por diferentes motivos. O que só estabelece o papel intermediário da Segundona. Tal como equipes da Elite colhem trabalhos plantados lá, o nível de exigência da B também é alto. O receio dos clubes quanto à sequência da temporada chega cada vez mais cedo; e faz vítimas.


Chamam atenção, em especial, as demissões de treinadores que sequer traziam desgaste de 2019. Gilson Kleina, por exemplo, que retornou à Ponte Preta em agosto do ano passado, já havia tido um fim de temporada difícil e sua permanência era dúvida. Ficou e não durou muito. Casos de Wagner Lopes, Maurício Barbieri, Hémerson Maria e Augusto Inácio, entretanto, são bem diferentes. Todos foram contratados para 2020, supostamente com respaldo para desenvolver o trabalho com elencos remontados – três dos times, afinal, CSA, Avaí e Chapecoense, acabaram de ser rebaixados da Série A. Barbieri teve um calendário apertado, ainda com Copa do Nordeste, enquanto Inácio, português, vivia sua primeira experiência no Brasil. Nenhum deles teve mais de sete jogos no comando de suas equipes, ainda que o início dos trabalhos realmente fosse problemático. Abaixo, o NesF destaca os números das passagens dos técnicos:

Foram para a Série A

Felipe Conceição – América/MG

30 jogos – 16 vitórias, 9 empates, 5 derrotas

63,3% de aproveitamento

contratado pelo Red Bull Bragantino

substituído por Lisca


Daniel Paulista – Confiança

40 jogos – 18 vitórias, 11 empates, 11 derrotas

54,2% de aproveitamento

contratado pelo Sport

substituído por Matheus Costa


Ídolo da Ponte Preta e com passagem pelo Paysandu, João Brigatti subiu com o Sampaio Corrêa e volta para Campinas. (Fábio Leoni/AA Ponte Preta)

Demissões por desempenho

Maurício Barbieri – CSA

6 jogos – 2 vitórias, 1 empate, 3 derrotas

38,9% de aproveitamento

substituído por Eduardo Baptista


Hémerson Maria – Chapecoense

6 jogos – 3 empates, 3 derrotas

16,6% de aproveitamento

substituído por Umberto Louzer


Wagner Lopes – Botafogo/SP

6 jogos – 2 empates, 4 derrotas

11,1% de aproveitamento

substituído por Claudinei Oliveira


Augusto Inácio – Avaí

7 jogos – 2 vitórias, 1 empate, 4 derrotas

33,3% de aproveitamento

substituído por Rodrigo Santana


Gilson Kleina – Ponte Preta

26 jogos – 7 vitórias, 8 empates, 11 derrotas

37,2% de aproveitamento

substituído por João Brigatti


Troca interna

João Brigatti – Sampaio Corrêa

19 jogos – 10 vitórias, 5 empates, 4 derrotas

61,4% de aproveitamento

contratado pela Ponte Preta

ainda sem substituto, Júnior Amorim de interino



A impressão que os números passam é mesmo de que há uma espécie de limbo em que, no começo do ano, o meio termo não vale de nada para algumas equipes. Saídas de Hémerson Maria e Wagner Lopes, apesar de também com um tempo curtíssimo de trabalho, parecem ter alguma lógica, uma vez que tanto o Botafogo/SP quanto a Chapecoense correm risco de rebaixamento em seus torneios estaduais. Nestas situações, é normal que o treinador caia, ainda mais quando aproveitamento é de fato péssimo. Este não foi o caso de Augusto Inácio e Maurício Barbieri, principalmente. Já a saída de Gilson Kleina da Ponte Preta, além do desgaste anterior, foi fruto do velho dogma da "sequência de três derrotas", inapelável em alguns casos. Mas eloquente mesmo é pensar que este é só o início. Com o fim dos estaduais e a Série B se aproximando, vem mais por aí. E é raro um time encontrar "o seu Felipe Conceição" no meio do campeonato.

 

#Brasil #Estatísticas


#MercadodaBola #CifrasdoEsporte #Calendário #Temporada #CampeonatoBrasileiro #SérieB #Demissões #Técnicos #Transferências #Finanças #AméricaMG #PontePreta #Avaí #SampaioCorrêa #BotafogoSP #Chapecoense #CSA #Confiança